20 de outubro 2014

20 de outubro é o Dia Nacional das Linhas de Torres

A Assembleia da República deliberou, por unanimidade, instituir o dia 20 de outubro como o Dia Nacional das Linhas de Torres. Para os Municípios de Arruda dos Vinhos, Loures, Mafra, Sobral de Monte Agraço, Torres Vedras e Vila Franca de Xira, tal representa o reconhecimento deste património identitário comum que constitui, simultaneamente, um singular produto turístico.

Fortificações provisórias, erguidas em tempo recorde com recurso à força de trabalho de cerca de 150 mil portugueses e implantadas em áreas com forte pressão antrópica, as Linhas de Torres estabeleceram um ponto de viragem na história das Campanhas Napoleónicas, assumindo grande relevo quer para a História de Portugal, quer para a História Contemporânea Mundial.

"A criação do Dia Nacional das Linhas de Torres propõe ser uma justa homenagem à memória e resistência do povo português aliada à estratégia e engenharia militar. Ao espírito de sacrifício de todos aqueles que lutaram contra o invasor fosse integrando o exército aliado, construindo as fortificações ou abandonando as suas casas e destruindo os seus bens, privando o exército invasor de se alimentar no terreno, mas, também, pondo em causa a subsistência dos compatriotas e o futuro do país", pode ler-se no projeto de resolução hoje aprovado.

A escolha do dia 20 de outubro deveu-se ao seu simbolismo, já que foi nesta data que a estratégia defensiva das Linhas de Torres começou a ser desenhada no terreno: "20 de outubro [de 1809] é a data do memorando que o Lord Wellington dirigiu a Richard Fletcher ordenando o reconhecimento do terreno e a fortificação dos pontos mais convenientes e defensáveis, criando um sistema de defesa a norte de Lisboa".

O deputado António Rodrigues, na sua declaração de voto, começou por saudar os representantes da Rota Histórica das Linhas de Torres presentes e realçou três aspetos fundamentais que levaram à criação deste Dia Nacional: a importância das Linhas de Torres nas relações Portugal - Reino Unido; a cooperação entre seis municípios liderados por diferentes forças políticas; e a unidade de vontades que reúne autarcas e deputados.

Rota Histórica das Linhas de Torres

As Linhas de Torres constituem um sistema complexo, cobrindo uma distância total de cerca de 100 kms, que compreende fortes, fortins, redutos, estradas militares e escarpamentos.

Como defesa, as linhas foram inteiramente bem-sucedidas, mas foram abandonadas por quase 200 anos, até à apresentação do projeto da Rota Histórica das Linhas de Torres.O projeto, desenvolvido pela Plataforma Intermunicipal das Linhas de Torres (constituída pelos Municípios de Arruda dos Vinhos, Loures, Mafra, Sobral de Monte Agraço, Torres Vedras e Vila Franca de Xira), teve um custo total aproximado de 6 milhões de euros, sendo que cerca de 2 milhões de euros foram cofinanciados em 74,11% pelo EEAGrants, e contou com o acompanhamento técnico do IGESPAR e apoio do Exército. Teve execução no período de 2007 a 2011 e os seus objetivos centrais foram salvaguardar, recuperar e valorizar uma componente significativa do património arquitetónico/militar integrante das Linhas de Torres Vedras, criando uma rota turística de excelência.Neste âmbito, o projeto implicou extensas pesquisas e investigações arqueológicas, remoção de vegetação e obras de restauro. Cerca de 30 obras militares foram restauradas e foram implementados 6 centros de interpretação em diversos pontos, ao longo das linhas. Além destas ações, foi criada a Grande Rota das Linhas de Torres (GR30) e 6 percursos de visita do complexo militar.

Mais notícias