19 de maio 2018

Associação Cabra Cega fez dois anos

No passado dia 19 de maio, o Centro de Interpretação das Linhas de Torres (CILT) teve o prazer de participar na celebração do segundo aniversário da ASSOCIAÇÃO CABRA CEGA, uma jovem instituição com sede social em Sobral de Monte Agraço.


Os seus dois anos de existência foram comemorados com um dia aberto a todos os que quiseram conhecer melhor o trabalho que tem vindo a desenvolver, no sentido de unir esforços para uma maior e mais diversificada oferta de apoios e soluções, respostas e condições para quem delas precisam.

O programa teve início com uma visita orientada ao Centro de Interpretação das Linhas de Torres (CILT), na qual participaram a senhora Secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, o seu Chefe de Gabinete, Dr. Carlos Pinto, o senhor Presidente da Câmara Municipal, José Alberto Quintino e membros da associação Voa - Inclusão para a Deficiência.

Apesar do CILT não estar ainda dotado da acessibilidade necessária, trabalhamos para que esta visita fosse o mais inclusiva possível para os participantes cegos e surdo-cegos, em harmonia com os restantes visitantes. Para isso possibilitamos que alguns objetos originais pudessem ser tateados, como por exemplo documentos manuscritos da época, pistolas, espingardas, sabres e balas de canhão, que foram sendo ilustrados por memórias descritivas de experiências de soldados que estiveram em Sobral e na região.

Nesse dia todos puderam tocar nas fardas militares, em cada uma das peças que a compõem, experimentarem a sua textura e tatear uma réplica de um canhão, para compreenderem as suas dimensões, uma maquete representativa do Forte do Alqueidão para ajudar à noção espacial e um telegrafo de sinais.

Seguiu-se a visita ao Forte do Alqueidão. Ali foram descritas as paisagens envolventes, salientando o relevo decisivo para a sua construção naquele local e os pontos turísticos de interesse que se avistam no horizonte: o Palácio da Pena, o Castelo de Palmela, o rio Tejo, a ponte 25 de Abril e o Cristo Rei; as serras do Montejunto e do Socorro, vários fortes das Linhas de Torres e o oceano Atlântico, junto à costa entre a Ericeira-Santa Cruz, podendo, ainda, em dias de boa visibilidade, avistarem-se as ilhas Berlengas.

No Forte foi também possível tatear algumas das ruínas existentes como a Casa do Governador, os diferentes paióis e canhoneiras e, num caso particular, a visita foi feita com recurso a um áudio guia.

Depois do almoço foi a vez de visitar a Quinta da Folgorosa, um parceiro aliado da Rota Histórica das Linhas de Torres. A habitual dedicação do Eng.º José Melícias proporcionou, na visita à vinha, sentir a cepa e as suas parras, perceber a inclinação do terreno e a influência da brisa marítima no aroma fresco dos vinhos.

Já na adega, foi explicado o processo de seleção das castas e do fabrico dos vinhos, tateados objetos e construções como lagares, depósitos de betão, cubas de inox e barricas de madeira de carvalho francês.

O dia terminou com uma prova de vinhos da Quinta da Folgorosa e com o bolo de aniversário a marcar presença brindou-se à saúde e futuro da Associação Cabra Cega.


A Cabra Cega é uma associação sem fins lucrativos que, inspirada no jogo que lhe dá o nome, tenta dotar os seus beneficiários/utentes de competências que lhes permitam uma inclusão mais fácil e sólida na sociedade.

+ Informação sobre a CABRA CEGA aqui

+ Informações sobre a VOA - Inclusão para a Deficiência aqui

 

 

Mais notícias